Acrosternum (Chinavia) panizzii

Frey-da-Silva, Angélica & Grazia, Jocélia, 2001, Novas Espécies De Acrosternum Subgênero Chinavia (Heteroptera, Pentatomidae, Pentatomini), Iheringia, Sér. Zool. 90, pp. 107-126: 5-7

publication ID

http://doi.org/ 10.1590/S0073-47212001000100011

persistent identifier

http://treatment.plazi.org/id/5A2B87CE-DF72-5933-FEFF-FC01C869FBF4

treatment provided by

Valdenar

scientific name

Acrosternum (Chinavia) panizzii
status

sp. nov.

Acrosternum (Chinavia) panizzii  sp. nov.

( Figs. 2View Figs, 8-10View Figs, 17-19View Figs 14-22, 24View Figs 23-26, 27View Figs 27-29)

Etimologia. Nome em homenagem ao Dr. A. R. Panizzi, do CNPS pelas importantes contribuições aos estudos de ecologia nutricional de heterópteros.

Superfície dorsal verde-musgo; ventralmente verde-claro. Pontuações densas na superfície dorsal; concolores a verde-escuras. Ventralmente com pontuações finas e concolores. Margens laterais das jugas, pronoto eterço basal do cório finamente bordeados por uma faixa negra e, outra mais interna, amarelo-pálida. Pernas esverdeadas; tíbias e tarsos ferrugíneos (fig. 2).

Macho. Cabeça levemente mais larga que longa. Pontuaçõesconcolores densamente distribuídas por toda a superfície. Jugas com margens laterais levemente sinuosas e convergentes apicalmente, igualando-se ao clípeo em comprimento. Largura dos olhos com ¼ da distância interocular. Olhos e ocelos negros. Segmentos antenais verde-claros; ápice dos segmentos I, II e III e base do IV com estreito anel ferrugíneo. Comprimento dos segmentos antenais aumentando progressivamente do Iao V. Superfície ventral da cabeça com pontuações concolores, densamente distribuídas e com pequena mancha linear negra na base do tubérculo antenífero. Rostro ultrapassando o limite anterior das metacoxas; coloração verde com ápice do último segmento enegrecido. Pronoto aproximadamente três vezes mais largo quelongo. Pontuações concolores averde-escuras, densas e uniformes, levemente mais grosseiras que as da cabeça, com exceção do terço anterioronde as pontuações são levemente menores. Margens ântero-laterais sutilmente convexas. Ângulosumeraisfortemente convexos. Cicatrizesconcolores com 1+1 máculas negrasnos ângulos basais internos das cicatrizes. Em alguns exemplares, ocasionalmente, 1+1 no ângulo basal externo. Escutelo com pontuações concolores a verde-escuras, densamente distribuídas; na base, pequenas áreas subcalosas amarelo-pálidas; pequenas fóveas negras nos ângulos basais. Hemiélitros com pontuações verde-escuras. Ângulos póstero-laterais do cório subtruncados, ultrapassando o meio do 6osegmento do conexivo. Pequenas áreas subcalosas amarelo-pálidas. Membranas translúcidas; pequenas manchas castanhas próximas à base das nervuras e mais claras junto ao ápice do clavo. Sutura da membrana levemente convexa. Pontuações da superfície ventral do tórax finas e irregularmente distribuídas, concolores a castanho-claras, principalmente juntoàs coxas. Placa metasternal castanho-clara. Tibias dorsalmente sulcadas. Conexivo com apenas a margem externa exposta, ou não exposta. Coloração verde-claro com faixa uniforme, alaranjada, nasmargens laterais. Pontuações concolores. Ângulosânteroepóstero-laterais enegrecidos e pouco pronunciados. Superfície ventral do abdome com pontuações finas concolores. Espinho do III segmento abdominal cônico e alongado, de ponta romba, ultrapassando a linha posterior das mesocoxas. Espiráculos negros. Ângulos pósterolaterais de cada segmento abdominal de coloração negra; margem lateral externa levemente pálida.

Medidas. Comprimento total 11,59 (10,92-12,60); comprimento da cabeça 1,57 (1,47-1,72), largura 2,80 (2,70-2,87); comprimento adiante dos olhos 0,83 (0,73-090); distância interocular 1,67 (1,64-1,80); comprimento dos segmentos antenais I 0,44 (0,41- 0,49); II 0,96 (0,90-0,98); III 1,16 (1,06-1,23); IV 1,64; comprimento do pronoto 2,60 (2,37-2,70), largura 7,44 (7,21-7,70); comprimentodo escutelo 4,83 (4,59-5,08), largura 4,69 (4,51-4,92); largura do abdome 7,70 (7,38-7,87); comprimento do cório 7,16 (6,64- 7,45).

Genitália. Pigóforo subtriangular, apresentando um suave estreitamento em direção à base; ângulos póstero-laterais bem desenvolvidos com ápice arredondado; taça genital fortemente escavada. Bordo dorsal fortemente côncavo lateralmente ao segmento X (fig. 8). Bordo ventral sinuoso e moderadamente escavado medianamente em “V”, projetado dorsalmente em forma de aba subtriangular com dente mediano na margem externa; ápice em longo espinho (fig. 9). Parâmeros curtos, voltados para o segmento X, com cabeça arredondada no ápice e, na base, pequena projeção digitiforme (fig. 10). Segmento X ovalado, com carena no terço basal, nitidamente visível em vista dorsal (fig. 8). Aparelho articular com placa basal simples com um par de conectivos dorsais e um par de conectivos ventrais. Conectivos dorsais alcançando o terço basal da phalloteca com processus capitati longo e bem desenvolvido. Conectivos ventrais em braços alongados. Phalloteca tubular, levemente curvada dorsalmente, com ápice levemente escavado medianamente. Conjuntiva presente, reduzida com um par de processos truncados. Vésica tubular, pouco desenvolvida, visível em vista dorsal e ventral. Membramblase arredondada (figs 17-19).

Fêmea semelhante ao macho. Medidas. Comprimento total 13,30 (12,93-13,60); comprimentoda cabeça 1,72 (1,56-1,88), largura 3,13 (3,03-3,28); comprimento adiante dos olhos 0,92 (0,90-0,98); distância interocular 1,82 (1,80-1,88); comprimento dos artículos antenais I 0,59 (0,49-0,65); II 0,98 (0,90-1,06); III 1,36 (1,31-1,39); IV 1,80 (1,72-1,88); comprimento do pronoto 3,07 (2,87-3,28), largura 8,48 (8,20-8,77); comprimento do escutelo 5,82 (5,65-6,15), largura 5,45 (5,16-5,74); largura do abdome 8,77 (8,44-9,02); comprimento do cório 8,34 (8,03-8,52).

Genitália. Bordo posterior do VII segmento abdominal côncavo na área que recobre a base dos gonocoxitos 8. Bordos suturais dos gonocoxitos 8 justapostos a ligeiramente divergentes no ápice e na base. Disco dos gonocoxitos 8 intumescidos; bordo posterior convexo. Laterotergitos 8 subtriangulares; margem posterior com minúscula projeção enegrecida. Laterotergitos 9 ultrapassando sutilmente a banda que une dorsalmente os laterotergitos 8. Pequena projeção deponta rombajunto ao bordoposterior dos gonapófises 9 e avançando sobreos gonocoxitos 9. Segmento Xquadrangular (fig. 24). Espessamentos secundários das gonapófises 9 (esg9) amplas, subquadrangulares. Chitinelipsen (ch) irregularmente ovaladas. Orificium receptaculi (or) piriforme. Espessamento da íntima vaginal (eiv) subcônico. Ductus receptaculi (dr) anterior (dra) e posterior (drp) à área vesicular estreito e longo, pouco menor que o ductus na área vesicular; região anterior à área vesicular quase quatro vezes mais longa que a posterior e com diâmetro levemente maior. Pars intermedialis (pi) com diâmetro menor que o comprimento, cilíndrica, mais estreita que a capsula seminalis (cs); esta, esférica, com dois dentes contorcidos, de comprimento aproximadamente uma e meia vez ao da capsula seminalis e pars intermedialis juntas. Cristas anular anterior (caa) e posterior (cap) conspícuas; crista anular anterior voltada em direção ao ductus receptaculi (fig. 27).

Material-tipo. Holótipo, BRASIL, Paraná, Curitiba, 17.IV.1975, A. R. Panizzicol., em Passiflora  sp. ( DZUP).  Parátipos: 4, 4, idem dados do holótipo (,, UFRG; 3, 3, CNPS)  .

Planta hospedeira. Passiflora  sp. ( Passifloraceae  ) (maracujá).

Diagnose. A. (C.) panizzii  apresenta a cabeça, pronoto e terço basal do cório uniformemente esverdeados; espinho abdominal alcançando as mesocoxas; 1+1 manchas negras presentes nos ângulos basais externos das cicatrizes, ocasionalmente também presentes nos ângulos internos. Diferencia-se de A. (C.) obstinatum (Stål, 1860) pela presença de pequenas fóveas negras nos ângulos basais do escutelo e por apresentar uma larga mancha negra nos ângulos ântero e póstero-laterais de cada segmento do conexivo; em A. (C.) obstinatum apenas os ângulos póstero-laterais com diminutas manchas negras.

CNPS

Brazil, Parana, EMBRAPA, Centro Nacional de Pesquisas da Soja

DZUP

Brazil, Parana, Curitiba, Universidade Federal do Parana, Museu de Entomologia Pe. Jesus Santiago Moure

UFRG

Brazil, Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Biologia

CNPS

Centro Nacional de Pesquisas da Soja

DZUP

Universidade Federal do Parana, Colecao de Entomologia Pe. Jesus Santiago Moure

UFRG

Instituto de Biologia