Acrosternum (Chinavia) immaculatum

Frey-da-Silva, Angélica & Grazia, Jocélia, 2001, Novas Espécies De Acrosternum Subgênero Chinavia (Heteroptera, Pentatomidae, Pentatomini), Iheringia, Sér. Zool. 90, pp. 107-126: 3-5

publication ID

http://doi.org/ 10.1590/S0073-47212001000100011

persistent identifier

http://treatment.plazi.org/id/5A2B87CE-DF7C-5931-FEDA-FAE1CBCEFC33

treatment provided by

Valdenar

scientific name

Acrosternum (Chinavia) immaculatum
status

sp. nov.

Acrosternum (Chinavia) immaculatum  sp. nov.

( Figs. 1View Figs, 5-7View Figs, 14-16View Figs 14-22, 23View Figs 23-26)

Etimologia. Nome alusivo à ausência de manchas negras no conexivo.

Superfície dorsal verde-oliva; ventralmente verde-oliva a alaranjada nos esternos torácicos e linha mediana do abdome. Margens laterais das jugas, do pronoto e terço basal do cório bordeados por uma faixa larga laranja-avermelhada, que se estende até a superfície ventral. Pontuações densas na superfície dorsal, castanhas a enegrecidas; pontuações na região ventral, finas, concolores a enegrecidas. Pernas esverdeadas; terço apical das tíbias e tarsos laranja-avermelhados (fig. 1).

Macho. Cabeça levemente mais larga que longa. Pontuações castanho-claras densamente distribuídas por toda a superfície. Jugas com as margens laterais suavemente sinuosas, subparalelas e convergentes apicalmente igualando-se ao clípeo em comprimento. Largura dos olhos com ¼ da distância interocular. Olhos enegrecidos. Ocelos negros. Segmentos antenais verde-escuros. Segmentos antenais II e III subiguais em comprimento; III segmento menor que o IV; Vsegmento antenal pouco menor que o IV. Superfície ventral da cabeça alaranjada, com finas pontuações concolores; pequena mancha linear negra na base do tubérculo antenífero. Rostro ultrapassando o limite anterior do III segmento abdominal, alaranjado, ápice do último segmento enegrecido. Pronoto aproximadamente três vezes mais largo que longo; pontuações castanho-claras, mais grosseiras que na cabeça, densamente distribuídas por toda a superfície. Margens ântero-laterais sub-retilíneas. Ângulos umerais agudos. Cicatrizes concolores e imaculadas. Coloração do escutelo como a do pronoto. Pequenas fóveas castanhoclaras nos ângulos basais. Hemiélitros com pontuações castanho-escuras densamente distribuídas. Ângulos póstero-laterais do cório arredondados, atingindo o limite posterior do 6o segmento do conexivo. Sutura da membrana sub-retilínea. Membranas translúcidas, levemente escurecidas próximo à margem interna da sutura. Pontuações da superfície ventral do tórax finas e irregularmente distribuídas, concolores a enegrecidas. Placa metasternal alaranjada. Ventralmente, uma linha verde-escura delimitando o pronoto da propleura. Tíbias dorsalmente sulcadas. Conexivo exposto com os ângulos póstero-laterais pouco pronunciados, imaculados, alaranjados a levemente avermelhados nas margens laterais; pontuações concolores, finas e densas. Superfície ventral do abdome com pontuações finas e concolores. Espinho do III segmento abdominal em tubérculo, de ponta romba, não ultrapassando olimite anterior do III segmento abdominal. Margens laterais do abdome e ângulos póstero-laterais de cada segmento alaranjados. Espiráculos negros.

Medidas. Comprimento total 11,25 (11,08-11,42); comprimento da cabeça 1,84, largura 2,60 (2,52-2,68); comprimento adiante dos olhos 0,96 (0,88-1,04); distância interocular 0,75 (0,67-0,84); comprimento dos segmentos antenais I 0,49; II 1,06; III 1 ,23; IV 1 ,80; V 1 ,72; comprimento do pronoto 2,43 (2,35-2,52), largura 7,22; comprimento do escutelo 4,56, largura 4,08 (4,00-4,16); largura do abdome 6,80 (6,72- 6,88); comprimento do cório 6,52 (6,48-6,56).

Genitália. Pigóforo subtrapezoidal; ângulos póstero-laterais desenvolvidos e fortemente agudos; taça genital moderadamente escavada. Bordo dorsal (bd) côncavo nos terços laterais (fig. 5). Bordo ventral (bv) sinuoso e fortemente escavado medianamente em “V”; projetado dorsalmente em aba com a margem externa com uma série de dentes enegrecidos; ápice em nítido espinho enegrecido (fig. 6). Parâmeros (par) espatulados e longos (fig. 7). Segmento X (X) quadrangular com carena basal quase imperceptível, quase totalmente encoberta pelo bordo dorsal (fig. 5). Aparelho articularcom placabasal (pb) simples e com umpar deconectivos dorsais (cd). Conectivos dorsais alcançando a metade basal da phalloteca (ph) com um processus capitati (pc) pouco desenvolvido. Phalloteca tubular e levemente curvada dorsalmente. Base da phalloteca com um processo ovalado. Conjuntiva (cj) presente, reduzida com um par de processos digitiformes. Vésica (v) tubular, pouco desenvolvida, visível em vista dorsal. Membramblase (m) arredondada e visível em vista dorsal (figs 14-16).

Fêmea semelhante ao macho. Medidas. Comprimento total 11,59; comprimento da cabeça 2,01, largura 2,68; comprimento adiante dos olhos 0,72; distância interocular 0,84; comprimento dos segmentos antenais I 0,65; II 1,23; III 1,39; IV 1,88; V 1,80; comprimento do pronoto 2,52, largura 7,39; comprimento do escutelo 4,24, largura 4,16; largura do abdome 7,05; comprimento do cório 6,16.

Genitália. Bordo posterior do VII segmento abdominal côncavo na área que recobre a base dos gonocoxitos 8 (gc8), estes arredondados. Bordos suturais justapostos em quase toda a sua extensão, divergentes no ápice e na base; bordos posteriores subretilíneos. Laterotergitos 8 (la8) subtriangulares; bordo posterior com uma minúscula projeção. Laterotergitos 9 (la9) espatulares, não ultrapassando a banda que une dorsalmente os laterotergitos 8. Pequena projeção deponta romba juntoao bordo posterior das gonapófises 9 (g9) avançando sobre os gonocoxitos 9 (gc9). (fig. 23).

Material-tipo. Holótipo, BRASIL, MatoGrosso, Utiariti, RioPapagaio , 7.VIII.1961, K. Lenkocol. ( UFRG).  Parátipos: Pará, Cachimbo ,, VI.1962, Alvarenga & Oliveiracol. ( DZUP)  ; MinasGerais, Serrado Cipó, Jaboticatubas ,, 20.V.1973, Mountouchetcol. ( UFRG)  .

Diagnose. A. (C.) immaculatum  caracteriza-se por apresentar o corpo marginado de laranja-avermelhado, com conexivo imaculado e terço das tíbias e tarsos laranjaavermelhados, além do espiráculo robusto não acompanhado por calo e espinho abdominal obsoleto. Diferencia-se de A. (C.) pecosum Rolston, 1983 pela pontuação dorsal densa e fina, castanha a enegrecida; pelas margens ântero-laterais do pronoto sub-retilíneas e pela presença de fóveas nos ângulos basais do escutelo. Em A. (C.) pecosum os fêmures são totalmente esverdeados e o corpo é marginado de amarelo; margens ântero-laterais levemente convexas; pontuação dorsal esverdeada, ocasionalmente negras e moderadamente densas.

UFRG

Brazil, Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Biologia

DZUP

Brazil, Parana, Curitiba, Universidade Federal do Parana, Museu de Entomologia Pe. Jesus Santiago Moure

UFRG

Instituto de Biologia

DZUP

Universidade Federal do Parana, Colecao de Entomologia Pe. Jesus Santiago Moure